O Malala Fund tem o orgulho de receber 22 novos defensores de seis países na Rede de Campeões da Educação , a maior nova coorte desde o lançamento do programa em 2017. Este ano também marca a expansão da Rede de Campeões da Educação na Etiópia.

A Rede de Campeões em Educação do Fundo Malala investe em líderes locais para acelerar o progresso em direção ao ensino médio para meninas em todo o mundo. Essas pessoas entendem melhor as necessidades das meninas em suas comunidadse, as barreiras que as mantêm fora da escola e como superar esses obstáculos. O Malala Fund acredita que veremos mais meninas na escola quando educadores, ativistas e suas organizações tiverem os recursos para advogar por soluções políticas e programáticas e responsabilizar os governos nos níveis local, estadual e nacional.

Maliha Khan, Diretora de programas do Malala Fund, disse: “Lançamos a Rede de Campeões em Educação para reforçar o trabalho de ativistas locais. Como indivíduos e coletivos, esses Campeões estão progredindo para meninas nos níveis locais, estaduais e nacionais. Como o COVID-19 ameaça forçar mais milhões de meninas a sair da escola, os programas liderados por campeões e o trabalho de advocacia são – agora – ainda mais importantes. Estamos orgulhosos de receber este grupo de defensores inovadores em nossa rede, além de expandir nosso apoio na África Subsaariana com nossos primeiros Campeões Etíopes.

A Rede de Campeões em Educação agora apoia 58 defesores que trabalham no Afeganistão, Brasil, Etiópia, Índia, Líbano, Nigéria, Paquistão e Turquia. Conheça a coorte de 2020 dos Campeões da Educação:

 

AFEGANISTÃO

Abdul Basir Sabawoon, Diretor Geral, Musbat Badloon Tolana (MBT)

Depois de trabalhar com direito, jornalismo e na academia, Abdul Basir co-fundou a Musbat Badloon Tolana (MBT) em 2013, para ajudar os jovens a criar mudanças sociais. Com sua bolsa do Malala Fund, Abdul Basir pesquisará as barreiras da educação local e usará as descobertas para convencer os líderes a alocar mais recursos à educação das meninas. Ele também treinará pais, anciãos da comunidade e estudiosos religiosos para usar os dados de sua pesquisa para defender um aumento do financiamento provincial e nacional da educação – incluindo orçamentos específicos para melhorar a matrícula de meninas e aumentar o número de professoras no distrito de Chaparhar.

Rahmatullah “Rahmat” Alizai, Diretor Executivo, Social Association for Development of Afghanistan (SADA)

Rahmat começou sua carreira na Associação Social para o Desenvolvimento do Afeganistão (SADA) porque ele queria ajudar a reconstruir as comunidades no Afeganistão depois de testemunhar décadas de guerra no país. Para melhorar as taxas de evasão local de meninas em Kandahar, Rahmat e SADA trabalharão com líderes religiosos e líderes comunitários para estabelecer shuras (comitês) de educação para meninas, que promoverão 12 anos de educação para meninas em suas comunidades. Com o apoio dos shuras, Rahmat liderará campanhas de advocacy em nível das aldeias para mudar as normas sociais que impedem a matrícula e a retenção de meninas nas escolas. Eles também identificarão 900 meninas fora da escola e as ajudarão a se matricular novamente na escola. Rahmat também incentivará o Ministério da Educação a recrutar e treinar educadoras para ensinar nas comunidades rurais.

Pashtana Dorani, Co-Fundadora, LEARN

Pashtana é co-fundadora da LEARN, uma organização que promove a alfabetização digital e fornece e-learning para crianças através de escolas comunitárias em casa. Com sua doação do Fundo Malala, Pashtana usará ferramentas movidas a energia solar de baixa tecnologia para criar laboratórios LEARN em oito escolas governamentais e melhorar a alfabetização digital de meninas. Ela também defenderá a inclusão de laboratórios de aprendizagem digital na política nacional de educação.

 

BRASIL

Paula Ferreira da Silva, Assessor, Centro Dom Helder Camara de Estudos e Ação Social (CENDHEC)

Nos últimos 18 anos, Paula trabalhou com organizações locais de educação e ativismo juvenil em Recife, Brasil. Com sua bolsa do Malala Fund, Paula pesquisará discriminação de gênero nas nove escolas públicas com as maiores taxas de evasão nos municípios de Camaragibe, Recife e Igarassu. O Centro Dom Helder Câmara de Estudos e Ação Social (CENDHEC) publicará as conclusões e usará os dados para convencer as autoridades do governo local a estabelecer programas para combater a desigualdade de gênero em suas escolas. O CENDHEC também compartilhará suas descobertas por meio de seminários públicos, mídia local e campanhas digitais.

Cássia Jane Souza, coordenadora do projeto, Centro das Mulheres do Cabo (CMC)

Na cidade de Cabo de Santo Agostinho, a pobreza e a gravidez na adolescência obrigam as meninas a abandonar a escola e a se unir à força de trabalho para sustentar suas famílias. Com sua bolsa do Malala Fund, Cassia treinará meninas adolescentes na coleta e análise de dados para que possam documentar os motivos pelos quais as meninas abandonam as escolas públicas em Cabo de Santo Agostinho. Cassia e o Centro das Mulheres do Cabo (CMC) ensinarão as meninas a falar em público e habilidades de mídia para que possam abordar as descobertas de suas pesquisas por meio de campanhas de defesa de direitos e no programa de rádio da CMC, a Rádio Mulher.

Andréia Martins de Oliveira Santo, Coordenadora de Projetos, Redes da Maré

Nos últimos 20 anos, Andréia trabalha como educadora, pesquisadora e coordenadora de projetos na Redes da Maré. Com sua bolsa do Malala Fund, Andréia advogará que a Secretaria Municipal de Educação da Maré implemente uma política que garanta que as escolas compensem os dias perdidos devido à violência de gangues. Ela também trabalhará com os departamentos do governo local para identificar os motivos pelos quais as meninas desistem mais cedo. Andréia usará essa pesquisa para apresentar uma proposta ao governo municipal para a criação de um escritório local de educação em Maré, focado no aumento das taxas de matrícula e retenção. Andréia e Redes da Maré também conduzirão campanhas de conscientização da educação de meninas em nível comunitário, incentivando as famílias a enviar meninas para a escola.

Benilda Regina Paiva De Brito, coordenadora do Programa de Direitos Humanos, Odara Instituto da Mulher Negra

Benilda é uma importante ativista de direitos humanos e palestrante no Brasil. No Instituto Odara da Mulher Negra, ela usa sua experiência para aumentar a conscientização sobre a discriminação racial e os desafios enfrentados pelas meninas negras nas escolas públicas. Com a doação, Benilda pesquisará sobre as barreiras na educação das meninas no nordeste do Brasil e ouvirá das meninas sobre os problemas que enfrentam nas escolas. Ela usará essas evidências para advogar em prol de políticas para melhorar as taxas de matrícula de meninas. Benilda também construirá uma rede de organizações da sociedade civil e funcionários do governo para melhorar o acesso à educação para meninas.

 

ETIÓPIA

Getaalem Kassa, Diretor Executivo, Hiwot Etiópia

Irmão mais velho de cinco irmãs, Getaalem começou a advogar pela educação de meninas quando reconheceu o quão intimamente ligado o problema estava à melhoria do bem estar de sua comunidade. Em 1995, Getaalem co-fundou a Hiwot Etiópia, uma organização que evoluiu para uma das principais autoridades nacionais em questões de juventude, particularmente no papel que homens e meninos têm na defesa dos direitos das meninas e das mulheres. Com sua doação do Fundo Malala, Getaalem trabalhará com a Hiwot Etiópia para promover a igualdade de gênero e acabar com a violência baseada em gênero por meio de programas de rádio, oficinas de advocacia, divulgação comunitária e mídia social.

Amsale Mulugeta, Diretora Executiva, Education for Sustainable Development

Classes superlotadas, banheiros sem infraestrutura, falta de livros didáticos e professores de baixo desempenho nas escolas da Etiópia criam condições inadequadas de aprendizado para as meninas. Como diretora executiva de Educação para o Desenvolvimento Sustentável, Amsale trabalha para ajudar as meninas a permanecerem nas escolas, criando ambientes de aprendizado mais propícios e combatendo o casamento infantil. Com sua doação do Fundo Malala, Amsale elaborará planos de ação comunitária para governos, comunidades e instituições religiosas para enfrentar barreiras à educação, como promulgar leis que restringem o casamento infantil.

Martha Nemara Woyessa, Diretora Executiva,  Women Empowerment Action (WE-Action) 

Ex-professora, Martha conhece os desafios que as meninas etíopes enfrentam para terminar seus estudos. As escolas não estão atentas às necessidades das alunas e muitas meninas que tem dificuldade em acompanhar seus estudos acabam desistindo. Com sua bolsa do Malala Fund, Martha trabalhará com escolas e governos locais para acabar com a violência baseada em gênero e melhorar a qualidade da educação e os ambientes de aprendizagem. 100 meninas do ensino médio participarão do programa de treinamento da WE-Action e ,no qual, aprenderão a advogar por sua educação. Como parte do capítulo etíope da Rede de Campeões em Educação, Martha elevará suas iniciativas de advocacy de base e promoverá iniciativas nacionais para melhorar os padrões de educação para meninas.

 

ÍNDIA

Aheli Chowdhury, Diretora,  Joint Operation For Society (JOSH)

Como co-fundadora e diretora da Operação Conjunta de Ajuda Social (JOSH), Aheli ajuda os alunos a agir sobre os problemas que afetam suas comunidades. Com sua bolsa do Malala Fund, Aheli monitorará e analisará a implementação dos projetos de educação das meninas do governo nos distritos de Hardoi, Rae Bareli e Faizabad em Uttar Pradesh para ver onde há financiamento, bloqueios institucionais ou sistêmicos. Depois de estudar 10 escolas em cada distrito, ela organizará campanhas para remover as barreiras burocráticas, para que os projetos e fundos do governo possam apoiar melhor as meninas fora da escola.

Raju Kumar Narzary, Diretor Executivo, North East Research & Networking Trabalho Social (NERSWN) e Digambar Narzary, Fundador Administrador, Nedan Foundation

Para ajudar a melhorar os resultados da aprendizagem das meninas no nordeste da Índia, os Campeões de Educação do Malala Fund Raju e Digambar trabalharão em um projeto conjunto nos dois distritos mais afetados por inundações e conflitos étnicos: Dhubri e Kokrajhar. Com a concessão do Fundo Malala, eles reunirão dados sobre a inscrição de meninas e os usarão para convencer as autoridades locais, estaduais e nacionais a aumentar o financiamento para a educação e expandir a Lei do Direito à Educação para garantir que todas as crianças possam aprender de graça até os 12 anos.

Em 250 vilarejos da região, Raju e Digambar estabelecerão clubes que oferecem aulas de reforço, treinamento em habilidades cotidianas e oficinas de advocacia para meninas fora da escola ou em risco de desistência. Raju e Digambar também organizarão e treinarão 250 grupos comunitários e 200 comitês de gestão escolar para monitorar as escolas locais e garantir que os ambientes locais de aprendizagem sejam seguros para as meninas.

Gurkirrat “Kirrat” Sachdeva, Chefe de Programas, Youth Ki Awaaz (YKA)

Como chefe de programas para jovens Ki Awaaz (YKA), Gurkirrat cria campanhas digitais e desenvolve esforços de mobilização de dados para a maior plataforma de mídia de justiça social da Índia para jovens. Com sua bolsa do Malala Fund, Gurkirrat lançará uma bolsa YKA para 75 jovens ativistas apaixonados pela educação de meninas na Índia. A YKA treinará esses ativistas para aproveitar o poder da narrativa comunitária para aumentar a conscientização sobre as barreiras que as meninas enfrentam no acesso à educação. A YKA também criará uma campanha digital nacional para defender a plena implementação da Lei do Direito à Educação e sua extensão por mais 18 anos.

Kumar Shailabh, Co-Diretor, HAQ Centre for Childs’ Rights

Para melhorar a inscrição de meninas e responsabilizar os líderes por seus compromissos com as mesmas, Shailabh está trabalhando para tornar os orçamentos estaduais e locais mais transparentes para o público. Com sua bolsa do Malala Fund, ele coletará dados de Assam, Bihar e Uttar Pradesh – estados com um grande número de meninas fora da escola – e usará essas informações para criar um rastreador digital interativo que destacará as lacunas de financiamento na educação das meninas. Ao apresentar os dados de maneira acessível, Kumar visa normalizar o rastreamento de gastos nesses estados e convencer os líderes a garantir que o financiamento futuro atinja as meninas mais marginalizadas.

 

NIGÉRIA

Hamzat “Hamzy” Bala Lawal, fundador e CEO, Connected Development Initiative (CODE)

Hamzy, 30 anos, é um advogado, analista de dados e comentarista de mídia que pode atrair atenção nacional para questões sociais em toda a Nigéria. Em 2012, ele fundou o Connected Development (CODE), uma organização que usa dados abertos e tecnologia para aumentar a responsabilidade do governo. Com sua doação do Malala Fund, Hamzy usará o modelo Follow The Money do CODE para treinar e lançar equipes lideradas por cidadãos – compostas por estudantes, trabalhadores de desenvolvimento e voluntários – para identificar barreiras à educação de meninas no estado de Adamawa, no nordeste da Nigéria. A equipe de Hamzy acompanhará os gastos do governo estadual em educação e incentivará as autoridades estaduais a investir em infraestrutura escolar sensível ao gênero.

Benjamin John, Gerente de Programas, Restoration of Hope Initiative (ROHI)

Como gerente de programa da Iniciativa Restauração da Esperança, Benjamin lidera a defesa da adoção da Declaração de Escolas Seguras (SSD) nos estados de Adamawa e Borno. Com sua doação do Malala Fund, Benjamin irá incentivar os estados de Adamawa e Borno a assinarem o SSD e criarem diretrizes para sua implementação em nível estadual. A Iniciativa de Restauração da Esperança (ROHI) também treinará funcionários de nível estadual nas diretrizes de SSD e estabelecerá secretárias de SSD nos governos estaduais. Se aprovada em Adamawa e Borno, o SSD tem o potencial de tornar as escolas mais seguras para mais de 372.000 meninas.

Olabukunola “Buky” Williams, Diretor Executivo, Education as a Vaccine (EVA)

Buky é o diretor executivo da Education as a Vaccine (EVA), uma organização sem fins lucrativos que trabalha com meninas para ensiná-las a contar suas histórias, defender seus direitos e responsabilizar os governos pelas políticas que afetam os jovens na Nigéria. Usando sua bolsa do Malala Fund, Buky mobilizará meninas e líderes comunitários para conduzir uma campanha em todo o estado para a implementação da educação secundária gratuita para meninas no estado de Kaduna. O EVA também treinará meninas para usar as mídias sociais e o rádio para compartilhar histórias pessoais sobre a educação das meninas. Se for bem-sucedida, a implementação da educação gratuita no estado de Kaduna beneficiará cerca de 691.000 meninas.

 

PAQUISTÃO

Sayyeda Numrah Bokhari, Conferencista, Durbeen

Como palestrante na organização sem fins lucrativos Durbeen, Numrah treina professoras em Karachi para melhorar a qualidade da educação nas escolas públicas. Com sua bolsa Malala Fund, Numrah avaliará quão bem o programa de treinamento de professores de Durbeen está melhorando os resultados da aprendizagem dos alunos. Esses dados fundamentarão uma campanha de advocacia em todo o estado, que visa provar aos líderes como os professores treinados são fatores críticos para melhorar as taxas de matrícula das meninas no ensino médio. A campanha também pressionará o governo a exigir que todos os professores tenham um diploma de bacharel em educação.

Lalah Rukh, Fundadora, Ciência Fuse

Educadora formada em biologia molecular e biotecnologia, Lalah fundou a Science Fuse para tornar a educação científica de qualidade acessível a estudantes marginalizados em Punjab. Com sua bolsa do Malala Fund, Lalah fará lobby com o governo da província para financiar clubes e feiras de ciências em escolas públicas. Para convencer líderes e desafiar preconceitos sociais contra meninas em STEM, Lalah liderará uma campanha de mídia social com vídeos mostrando jovens cientistas e professoras de ciências de todo o Paquistão. Ela também organizará mostras científicas, oficinas e feiras, além de encontros e sessões de histórias com cientistas do sexo feminino em quatro escolas governamentais para meninas em Lahore, Kasur e Sheikhupura.

Madiha Rehman, diretora de programas, AzCorp Entretenimento

Com sua bolsa, Madiha supervisionará uma campanha para ensinar meninas em Karachi, Sukkur e Khairpur a advogar por sua educação através de histórias. Durante workshops de dois dias, Madiha ensinará 4.000 meninas e educadoras sobre solução de problemas, narrativa e questões relacionadas à educação de meninas. Após esses workshops, as meninas escreverão histórias originais baseadas em suas vidas. A AzCorp publicará histórias selecionadas do workshop como histórias em quadrinhos, que serão distribuídas às escolas locais. Madiha também usará esses quadrinhos para defender mudanças políticas que apóiem a educação das meninas.

Partab Rai Shivani, CEO, Thar Education Alliance

Como educadora e CEO da Thar Education Alliance, a Partab trabalha para garantir o financiamento do governo necessário para melhorar os resultados de aprendizagem para meninas em Tharparkar. Com o subsídio do Fundo Malala, o Partab advogará que os líderes distritais e provinciais aloquem mais recursos na educação das meninas. Para liderar esta campanha em todo o distrito, a Partab recrutará e treinará 50 estudantes de 18 a 35 anos em técnicas de defesa de direitos. Essas moças se encontrarão com professores e criarão conversas com a comunidade para discutir a importância da educação das meninas e o que precisa mudar. Eles também organizarão atividades de ciências e matemática para meninas para ajudar a expô-las a esses assuntos.

 

Fonte: Malala Fund

* Reportagem traduzida para o português