Notícias

VÍDEOS

“Papo de Menina” discute saúde mental com meninas negras em Olinda

“Papo de Menina” discute saúde mental com meninas negras em Olinda

Via Observatório Ensino da Língua Inglesa O projeto “Papo de Menina”, do Centro de Cultura Luiz Freire (CCLF), foi uma das iniciativas selecionadas no edital “Meninas que Vão Além” do British Council e vai trabalhar Direitos Humanos e saúde mental com meninas negras...

Justiça para Edinaldo Manoel Atikum já!

Por Comunicação APOINME Na noite desta última quarta-feira (15), militares do município de Carnaubeira da Penha - PE, agrediram o indígena Atikum, Edinaldo Manoel de Souza, de 61 anos, até a morte em frente a sua casa. Segundo relatos, Edinaldo escutou barulhos no...

Quem mandou matar Bruno Pereira e Dom Phillips?

Quem mandou matar Bruno Pereira e Dom Phillips?

Chico Mendes, Dorothy Stang, Maxciel dos Santos, Paulo Paulino Guajajara, Ari Uru-Eu-Wau-Wau, Zezico Rodrigues Guajajara, Sarapó Ka’apor. Cada um desses nomes carregam histórias de luta e resistência em defesa do meio ambiente e das populações indígenas. Cada uma...

A fome como sintoma de uma democracia adoecida. Artigo de Nathalie Beghin.

Se há fome, não há democracia. Em um país no qual o povo exerce a soberania ou, ainda, em um regime político em que todas as pessoas participam igualmente, a insegurança alimentar e nutricional não aconteceria. No Brasil do presidente Bolsonaro 36% da população não teve dinheiro para alimentar a si ou a sua família em algum momento nos últimos 12 meses, de acordo com dados recém-publicados pela FGV Social [1]. E mais: a situação piorou em relação à 2014, quando esse percentual era de 17%. Foi também em 2014 que a Organização das Nações Unidas informou que o Brasil tinha saído do Mapa da Fome mundial.

Deslizamentos, enchentes e mortes: as consequências do descaso do poder público

Deslizamentos, enchentes e mortes: as consequências do descaso do poder público

Em paralelo, a mobilização solidária da sociedade civil tem cumprido o papel do Estado contribuindo para que as famílias consigam retornar às suas rotinas com o mínimo de dignidade e possam recuperar o que foi perdido. OCCLF é um dos pontos de arrecadação e tem se juntado com organizações de Olinda para realizar essa distribuição. Enquanto instituição que defende os Direitos Humanos e a Democracia, somamos à cobrança de medidas efetivas que garantam moradia digna e o acesso a outros direitos básicos para uma população que vive com quase nada e ainda lida com perdas por culpa das prioridades que o Estado tem mantido. Nos solidarizamos com as 100 vidas perdidas pela negligência do poder público e persistimos na luta para que esses nomes não sejam esquecidos. Que a vida seja valorizada e episódios como esse não precisem acontecer novamente.

CONTRIBUA!

Seja agente da mudança, faça doações para o CCLF.

TRANSPARÊNCIA!

Não tenha dúvida, somos realmente engajados e podemos provar.

ENTRE EM CONTATO

6 + 11 =

CCLF